Arquivo

Archive for the ‘Dica do Servidor’ Category

Feirão dá desconto para devedor limpar nome


Feirão dá desconto para devedor limpar nome

 

05 de Novembro de 2017

A partir de hoje, os 60,5 milhões de brasileiros inadimplentes, segundo cálculos da Serasa Experian, vão ganhar uma chance extra para quitar suas dívidas. É que começa o Feirão Limpa Nome da Serasa, que dá descontos aos interessados em renegociar dívidas e se livrar dos débitos.

O evento, que acontece na internet, vai até dia 30 deste mês.

Para participar, basta entrar no site da Serasa e preencher um cadastro. Depois, o consumidor deve buscar a empresa com a qual tem dívidas em uma lista.

Para negociar, o consumidor deve escolher uma das formas de atendimento e entrar em contato com a empresa. O devedor também pode encontrar um boleto na página, feito a partir de uma proposta da empresa. Se aceitar as condições oferecidas, basta efetuar o pagamento.

Para quem não sabe se está com o nome sujo, também é possível fazer uma consulta gratuita para verificar se há pendências em seu CPF.

Não há nenhuma previsão de data para a versão presencial do feirão do órgão de proteção ao crédito.

Ainda segundo a Serasa, 320 mil pessoas limparam seus nomes no feirão do ano passado.

 No vermelho

Segundo a Serasa, o número de pessoas com contas em atraso cresceu 1,5% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2016, para 60,5 milhões de consumidores. Somadas, as dívidas chegam a R$ 267,5 bilhões.

O valor médio devido por cada pessoa inadimplente é de R$ 4.422. A maioria das pendências tem relação com dívidas bancárias e de cartão de crédito.

 Antes de renegociar

A Serasa recomenda que, antes de tentar negociar uma dívida com o credor, o consumidor faça as contas para saber qual valor de parcelamento caberia em seu orçamento.

Para isso, é preciso calcular todas as despesas fixas da família e somar às dívidas já assumidas.

Outra dica é utilizar o 13º salário para ajudar a resolver a situação financeira. “Para quem possui o benefício, é recomendável que priorize o pagamento da dívida”, dizo diretor da Serasa, Raphael Salmi.

Fonte: Jornal Destak

 

Anúncios

Unidade Jaçanã do IBCC conta com 138 leitos para atendimento de cuidados paliativos e prolongados


Unidade inaugurada no fim de 2016 na região Norte,
oferece tratamento humanizado a seus pacientes

De acordo com a definição feita em 2002 pela Organização Mundial de Saúde (OMS), os cuidados paliativos são uma forma de aprimorar a qualidade de vida de forma humanizada de pacientes e familiares que enfrentam problemas associados a doenças que ameaçam a vida. Esses cuidados são feitos através de uma identificação precoce, avaliação correta e do tratamento da dor e demais problemas de ordem física, psicossocial e espiritual dos pacientes diagnosticados.

Como exemplo do trabalho que vem sendo desenvolvido na Unidade Jaçanã do IBCC está o caso do paciente A.F.M, de 71 anos, diagnosticado com Mal de Parkinson, Diabetes e Hipertensão, fazendo uso de sonda naso enteral, há um ano acompanhado pela equipe do Instituto. Segundo Fabiane Je­rônimo, supervisora assistencial do IBCC Jaçanã, o paciente era “meio apático, não interagia e se expressava muito pouco”. Mas com quatro semanas de atendimento ele já não fazia mais uso da sonda para alimentar-se e apresentou um grande avanço em seu quadro.

Meses depois o paciente passou a ter autonomia e melhorou suas condições clínicas com mais interação. Passou a alimentar-se de forma independente, com o uso de colher e copo adaptados e assistido pela equipe multiprofissional do Ins­tituto. O grupo multiprofissional é composto pelos profissionais de enfermagem, terapia ocupacional, fisioterapia, nutrição e psicologia.

Mesinha adaptada ajuda autonomia de pacientes nas refeições

O tratamento humanizado oferecido aos pacientes também envolve o desenvolvimento de mecanismos e utensílios que os façam voltar a ter autonomia em tarefas cotidianas. Um exemplo é a “mesinha adaptada” utilizada como suporte para as principais refeições (almoço e jantar).
Com esse utensílio os pacientes têm a vida facilitada na hora da alimentação, correm menos risco de sofrerem uma broncoaspiração (tendo em vista que o paciente precisa ser posicionado adequadamente), além de também ser um aliado da equipe de trabalho de enfermagem no Instituto.

“Elas foram criadas para auxiliar os pacientes que possuem autonomia alimentar. O ganho principal é o paciente poder alimentar-se sem que o prato deslize pela mesa, o que promove melhor condição, proporcionando autonomia alimentar com maior qualidade de vida”, explica Viviane Fernandes, fonoaudió­loga da IBCC Jaçanã, idealizadora do projeto.

A profissional explica que cada paciente indicado para o uso é treinado durante uma semana. Com isso, este paciente é levado para sala de Terapia, onde é supervisionado pela fonoaudióloga e pela terapeuta ocupacional Larissa Delazia A. Santana. “Após essa semana de adaptação o material é liberado para o paciente, para servir de suporte para alimentação no leito, cadeira de rodas ou poltrona”, explica.

Através de atendimento especializado muitos pacientes
conseguem recuperar sua autonomia para atividades cotidianas

 

 

Suporte

Existem dois tamanhos de medidas, variando de acordo com o peso e circunferência de cada paciente. Todos os pacientes que fazem uso do suporte tiveram suas medidas tiradas para a confecção da mesinha. São peças exclusivas”, revela Larissa.

Segundo ela, apesar de ainda o uso do material estar em fase de adaptação, já é possível verificar uma melhora no desempenho alimentar dos pacientes. “Os 8 pacientes que estão sendo treinados já apresentaram melhora na aceitação alimentar e estão mais dispostos e alegres”, conta.

Os materiais utilizados para a confecção das “mesinhas adaptadas” são placas de MDF reutilizadas. A empresa HOTMACON doou o material, assim como realizou o corte das medidas.

Realizando atendimentos en­caminhados pelo Sistema Úni­co de Saúde, a Unidade Ja­çanã do IBCC fica localizada na Rua Roque de Paula Monteiro, 245 – Jaçanã. Tem horário de visita aberto das 9 às 21 horas. Telefone: (11) 2248-9950 Site: WWW.ibcc.org.br

Fonte:A Gazeta da Zona Norte

 

 

Febre Amarela, a nova ameaça do Aedes. Saiba como se proteger


Se já não bastassem os surtos de zika, dengue e chikungunya, a febre amarela voltou a preocupar depois que foram confirmadas duas mortes pela doença no noroeste do Estado de São Paulo (Ribeirão Preto e Bady Bassitt),onde foi intensificada a vacinação contra o vírus.

As mortes foram causadas pela febre amarela silvestre, transmitida por mosquitos que vivem em áreas rurais e matas. Vários macacos infectados também morreram em 10 cidades da região.

Na área urbana, o principal transmissor são os mosquitos do gênero Aedes. A última ocorrência de febre amarela urbana no país foi em 1942, no Acre. Mas a ameaça ressurgiu desde que o Aedes aegypti voltou ao Brasil, no final da década de 1970. Isso porque uma pessoa que contrair a febre amarela silvestre e for picada pelo mosquito da dengue pode ajudar a transmitir a doença no meio urbano.

É importante saber:

  • A febre amarela só é transmitida pela picada dos mosquitos transmissores infectados. A transmissão de pessoa para pessoa não existe.
  • Os sintomas são febre, calafrios, dor de cabeça e dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, cansaço e fraqueza. Em casos graves, a pessoa pode apresentar icterícia (coloração amarelada da pele e do branco dos olhos), hemorragia e insuficiência de vários órgãos.  Por isso é importante procurar uma unidade de saúde ao perceber os primeiros sintomas. Mais de 20% das pessoas desenvolvem a forma grave da doença.
  • O tratamento é apenas para os sintomas. Nas formas graves, se a pessoa não receber assistência médica, ela pode morrer.
  • No caso da febre amarela silvestre, não há como controlar a proliferação dos mosquitos. Somente a vacinação e o uso de repelentes são eficazes.
  • A vacinação é indicada para todas as pessoas que vivem em áreas de risco para a doença (zona rural da Região Norte, Centro Oeste, estado do Maranhão, parte dos estados do Piauí, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), onde há casos da doença em humanos ou circulação do vírus entre animais (macacos).
  • A vacina é gratuita e está disponível nos postos de saúde em qualquer época do ano. Pode ser aplicada a partir dos 9 meses (essa idade foi reduzida para os 6 meses nas cidades onde foram constatados casos da doença) e é válida por 10 anos.
  • Não é qualquer pessoa que pode tomar a vacina. Ela é contraindicada a gestantes, pessoas com o sistema imunológico debilitado e pessoas alérgicas a gema de ovo.Quem está tentando engravidar, também não deve tomar a vacina, pois já pode estar grávida.
  • A vacina leva uns 10 dias para proteger a pessoa da doença, pois o organismo precisa desse tempo para produzir anticorpos contra o vírus. Então, repelente é fundamental nessa fase!
  • Use sempre repelente. É bom lembrar que a vacina só protege contra a febre amarela. Os riscos de contrair dengue, chikungunya e zika continuam elevados, ainda mais no verão.

Repelente Nutripele

Uma das melhores opções para se proteger contra os mosquitos da dengue, chikungunya, zika e febre amarela é o Repelente Nutripele. Além de ser formulado com um dos mais seguros ingredientes do mercado, o IR3535, o mais recomendado por pediatras e dermatologistas para bebês a partir dos 6 meses de idade, ele possui 30% do ativo repelente, a maior concentração entre todos os repelentes disponíveis no Brasil, garantindo 5 horas de proteção.

A segurança e a suavidade da loção Repelente Nutripele, inclusive para gestantes, é garantida também pela fórmula sem perfume e sem álcool. Além de proteger contra mosquitos, ela hidrata e é muito fácil de espalhar, deixando a pele macia, suave e não grudenta.

Fonte:Repelente Nutripele

Leucemia Linfóide Aguda – LLA


Leucemia

Enviado pelo servidor Nelson Adelino Pereira da Supervisão Técnica de Manutenção/CPO

Enviado pelo servidor Nelson Adelino Pereira da Supervisão Técnica de Manutenção/CPO

Cuidado com o uso abusivo de descongestionantes


alergias

 

 

 

Cuidado com o abuso de descongestionantes


Alergia

Cuidado com uso abusivo de descongestionantes


Alergia

 

%d blogueiros gostam disto: