A auto-estima elevada demais faz com que uma pessoa imagine ser superior às outras, o que não é adequado.

Esse tipo de pessoa considera que sabe tudo e não se permite aprender com os outros. Se uma garrafa estiver fechada, nem as águas de uma forte cachoeira conseguem enchê-la.

Todos nós possuímos os mesmo recursos sendo assim, não é possível haver uma pessoa superior à outra. Somos seres em evolução o que quer dizer que ainda não somos perfeitos e temos muito a aprender com o próximo.

Críticas surgem em nossa vida freqüentemente. Por isso é preciso estar com uma auto-estima adequada para saber o que será aproveitado para o seu desenvolvimento e o que será descartado. Muitas coisas serão descartadas, porém muitas serão aproveitadas e mais que isso, muitas serão necessárias para o desenvolvimento pessoal…

Uma pessoa com uma a auto-estima elevada demais descarta todas as possibilidades,todo tipo de crítica. Ela acha que não precisa ouvir nada porque já é melhor do que a pessoa que está falando, pior ainda , ela costuma jogar a culpa em outras pessoas. Colocar a culpa nos outros é uma maneira tola de proteger a auto-estima.

Essa pessoa que se julga superior, começa a ter comportamentos que a distanciarão das demais pessoas. Ela se torna uma pessoa arrogante, prepotente. Chegará um determinado momento que estará sozinha. Portanto a auto-estima distorcida para mais também traz resultados negativos.

A auto-estima distorcida para menos faz com a pessoa se sinta inferior, incapaz. Pode causar uma autopiedade, o que é a pior coisa que você pode sentir por você mesmo. A pessoa perde o amor próprio. Esse tipo de situação vai levá-la a deixar de ter cuidados com ela mesma. Mais grave, essas atitudes podem levar a condutas de autodestruição, como alcoolismo, drogas e forte depressão.

É muito importante manter a auto-estima adequada. Ela faz parte da saúde do ser humano. Um ser humano saudável é um ser humano feliz.

Podemos perceber assim a íntima relação entre mente e corpo. Mente e corpo estão intimamente ligados.

Participação do Inconsciente

O nosso inconsciente possui grande participação em nossa vida. Sendo assim ele não poderia deixar de ter imensa participação em nossa auto-estima.

Quando chegamos a uma depressão devido à baixa auto-estima, é difícil mudar o estado recorrendo somente ao nosso consciente. É necessário nesse momento, procurar uma mudança no nível inconsciente. As verdadeiras mudanças ocorrem nesse nível.

Algumas pessoas possuem noção do nível inconsciente e o utilizam em seu favor. Essa é a menor parte delas…a maior parte não possui conscientemente a noção do nível inconsciente, porém tendo ou não esse conhecimento, usamos nosso inconsciente de várias formas.

Toda atividade realizada pelo nosso corpo físico é controlada pelo inconsciente. Ele orienta o funcionamento interno do nosso corpo, ele sabe orientá-lo para a saúde como também sabe fazer o oposto.

O nosso inconsciente também gerencia todas as nossas emoções. É nele que também ficam armazenadas emoções como depressão, medo, vergonha, culpa, ansiedade, tristeza.

Para mudarmos um estado negativo precisamos, da mesma maneira que precisamos para formular objetivos, de algumas formas para trabalhar diretamente o inconsciente.

O inconsciente é obediente: O inconsciente seguirá todas as suas ordens à risca. Portanto se você repetir para si mesmo, “vou chegar atrasado”, seu inconsciente fará de tudo para te obedecer e você chegará realmente atrasado.

O inconsciente não se deixa enganar: O inconsciente deve estar convicto das informações que recebe, deve haver coerência. Não adianta dizer à ele coisas absurdas como por exemplo, uma pessoa de classe média dizer: “Esse mês vou comprar uma Ferrari”

O inconsciente não trabalha por impulsos negativos: já vimos que o inconsciente descarta a palavra não. Sendo assim, ao dizer como frase como: “não posso errar”, o inconsciente ouvirá somente: “posso errar”. Você deve dizer então: “vou acertar”.

O inconsciente é literal: Muitas vezes fazemos afirmações ao inconsciente em tom de humor. Isso não trará resultado no inconsciente, ele leva tudo muito a sério e leva tudo ao pé da letra. Ele é como uma criança. Certo dia, conversando com minha filhinha perguntei: “como você está?”, então ela me respondeu sem hesitar: “De maria chiquinha!”. Após passar por uma cirurgia, uma mulher começou piorar gradativamente não parava de piorar. Procurando outras formas de ajuda essa pessoa conseguiu acessar seu inconsciente e descobriu que no momento da cirurgia o médico disse: “Essa mulher nunca mais será a mesma”.Obvio que o que o médico quis dizer, foi que ela nunca mais seria a mesma num sentido positivo. Quis dizer q ela ficaria muito melhor, porém o inconsciente é literal como já dissemos, leva as coisas ao pé da letra. É necessário tomar cuidado com a maneira de colocar os fatos.

Agindo diretamente no inconsciente podemos mudar um estado de baixa auto-estima, ou ate mesmo depressão, mais facilmente.

* Dr. Neil Hamilton Negrelli Junior